quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Jaime Bunda, o Agente Secreto, por Pepetela

Jaime Bunda ou Bundão, já que eu passei o tempo todo a chamá-lo assim.

Jaime Bunda é um detective, se é que podemos chamá-lo assim - esqueçam os c.s.i.'s charmosos, os polícias super sabidos e matreiros, os laboratórios cheios de novidades tecnológicas...
Imaginem antes, um negão ;) fisicamente evoluído, mais evoluído ainda na zona traseira, aquela que assenta, no caso dele, com uma certa dificuldade na cadeira e é ainda uma dificuldade maior para sair delas!
Já imaginaram!? Compreendo, não apetece! No entanto, é mais ou menos assim que inicia esta estória.

mas ... CALMA!!! nem tudo é assim tão tenebroso... não se esqueçam de tudo o que sabem deste género policial, pois as mulheres bonitas continuam a existir, os crimes também e a corrupção igualmente, até os mal-entendidos que complicam a história, mas que, mesmo mesmo quase no fim, se desvendam num ápice e a força policial sai vitoriosa. E não pensem com isto que estou a adiantar-vos o final, nada disso!


Voltando à questão dos mistérios, quero ressaltar que o subtítulo do livro é "Estórias de alguns mistérios!"
Deixo as conclusões para vocês!




O género policial de Pepetela não foge à regra dos comuns e tem de tudo um pouco, no entanto, não podemos esquecer que estamos em África e é o próprio narrador que afirma a lentidão, a corrupção, as missões pouco claras... vicissitudes do 3º mundo, é claro!
Pepetela consegue assim chamar à atenção de detalhes que são a regra e não a excepção, costumes enraizados que dificultam a evolução e o crescimento de uma sociedade... É bom salientar que as suas descrições apesar do seu tom jocoso, são ao mesmo tempo uma critica social disfarçada já que o narrador está sempre a alertar para a ficção... será?

Este foi o meu primeiro contacto com o trabalho deste autor e não posso deixar de dizer que um tanto da sua linguagem, bem como do seu tom de gozação e até do ritmo desajeitado, reforçando mais o cunho desleixado do personagem principal é, inicialmente, de estranhar... mas normalmente o que estranha, entranha e garanto que vos arrancará umas quantas risadas.

Os vocábulos usados em muitas descrições são ao mesmo tempo dignos de uma cena popular entre pessoas mais populares ainda, mas que nos reportam estrategicamente para o meio da acção, tornando a leitura muita mais evasiva. Definitivamente, Pepetela é um autor a repetir!

Recomendam algum?
Pessoalmente fiquei curiosa com a saga do Bundão, vejam abaixo a descrição e podem já dar uma olhadela na escrita tipicamente pepetelesca ;)




«Então não havia o Afeganistão, a Somália, o Irão ou a Colômbia, países ideais para um americano morrer de morte matada, sem levantar muitas comoções nem pasmos, pois eram territórios já habituados a serem tratados de promotores e antros de horripilantes antiamericanismos? Aí tanto fazia, mais um menos um, não provocava qualquer crise mundial.
Porque iria logo escolher a pacífica Benguela, onde, de memória de gente, nunca nenhum americano tinha morrido, nem mesmo quando os ianques andaram a apoiar, abertamente ou de caxexe, os famigerados "terroristas", linguagem oficial de um dos lados, "lídimos e heróicos defensores da democracia" no dizer do outro lado?
Mas foi assim que aconteceu, o engenheiro gringo bateu subitamente a caçoleta na pachorrenta cidade das acácias rubras, para grande tristeza e preocupação dos governantes, locais e nacionais, e perante a indiferença da maioria da população, ocupada na legítima e cada vez mais problemática azáfama de sobreviver.»

retirado do Blog Pepetela

Até lá... se este alguma vez me chegar às mãos...
Boas leituras.

Sem comentários :