quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Opinião :: "A Submissa"

Quando li o primeiro livro desta colecção (Jogos Perversos) achei que este tinha todos os elementos para ser um dos meus livros preferidos do género. Uma história sensual, com personagens fortes e cenas bem escaldantes, fossem praticadas a solo, a dois ou a três. "Submissa" pegou nessa formula a levou-a ao limite.
Viciante e arrojada, é como vejo a história desta personagem e é igualmente assim que Deke vê Kimber, muito antes de esta entrar pela sua casa a dentro com um pedido no mínimo fora do vulgar.

(foto elsar)
SINOPSE

A destemida Kimber embarca numa aventura desinibida, submete-se aos ensinamentos e à experiência de Deke, que já antes vimos envolvidos em cenas "sexualmente chocantes", com o casal do livro anterior.
Acho estúpida a necessidade de recorrer a medidas tão extremas apenas para futuramente agradar um outro homem com quem nunca tivera qualquer ligação física. Creio que preservar a virgindade para alguém e ao mesmo tempo ter conhecimentos/experiência em "ménages" é uma contradição, é quase contra-natura.
No entanto, para Kimber, entrar na vida de Deke e consequentemente, na de Luc (primo de Deke e parte deste triângulo excitante) é talvez a melhor coisa que lhe aconteceu. Cada um com o seu estilo, com os seus segredos e com a mestria para a levar à loucura, Deke e Luc fazem a personagem feminina o centro da história, fazem-na evoluir pessoal e sexualmente. Aceitar ficar com ambos é como entrar na toca do(s) lobo(s) mau(s), o que requer muito de Kimber, mas ainda mais de Deke, que foge de qualquer relação a dois. O seu primo Luc, (mal posso esperar para ler o seu livro - é o próximo), é uma personagem importante mas mais secundária e embora tenha um papel muito presente, já que tudo faz para que Kimber se adapte ao seu estilo de vida e para que Deke aceite o seu passado e veja em Kimber o futuro para si, para ambos. Se acham que ter sexo a 3 é a loucura, imaginem o que deve ser querer viver uma vida de casamento e filhos a 3! É uma logística que não consigo sequer visualizar.
No entanto, fora toda a questão do futuro a 3, que é uma ideia um tanto descabida, a insistência de Deke e Luc em manter as coisas sempre em triângulo tem um motivo, cada um tem razões fortes para encarar as menages como mais que um divertimento, encaram-nas como uma tábua de salvação.  Quanto a Deke, pensei que fosse algo mais...forte, mas vou aceitar o motivo. Luc, talvez seja o desespero que fala mais alto, a impossibilidade de ter algo que nos faz cometer loucuras para preencher a nossa vida com coisas que substituam outras. (não posso dizer nada senão dizem que ando por aqui a deixar spoilers!) :P


As cenas são de alto calibre descritivo e escaldante mas a quantidade é quase excessiva. Foi das primeiras vezes que dei por mim a querer saltar a parte picante para saber qual era o segredo escabroso de Deke que tanto o atormentava e impedia de ser feliz.

ATENÇÃO: este livro tem muitooooo sexo, 99% dele praticado com 3 elementos. Como é que é o aviso?  Contém cenas desaconselhadas para pessoas facilmente impressionáveis ou com historial de arritmia cardíaca.  Um VERMELHO vivo com a classificação "ai meu deus que isto é porno" de que já tanto se falou aqui no blog

Mais informações no site da editora
Ah não esquecer que para ler este, é sempre aconselhável ler o primeiro, "Jogos Perversos"
E já agora, faço uma pequena nota. Eu teria optado por outro título, aqui ainda brinquei com a leitura 8 ou 80, mas na realidade este título remete uma história de submissa/dominador e esse não é o caso neste livro. 

3 comentários :

Niatara disse...

ok oficialmente, deixaram-me super curiosa para ler este ;)

Philipa Amaral disse...

Elsa tu que és a mulher destes livros, não ha o contrario..homens submissos??
Gostei mais do jogos perversos do que do Grey (os dois que li deste gênero), mas o que sinto é que o genero ficou apresentado para mim...estava tentada a tentar lol ler um que fosse o contrario :)

ElsaR disse...

o contrário, tens a dominadora :) tenho lá para te emprestar.