segunda-feira, 5 de maio de 2014

De livro em livro... 15 review's em atraso... ou mais



De livro em livro, de conto em conto, do palavra passa palavra, de letra em letra, assim leio livros, assim me perco nas linhas que traço acerca dos livros que leio...

A estante dedicada a Afonso Cruz cresce desde Agosto de 2013 e é, com certeza, o autor de quem mais livros li e de quem mais livros tenho pendentes. Das leituras de Afonso Cruz nasce uma enorme vontade de rabiscar qualquer coisa, não uma linha, antes um desenho, uma colagem, um misto de estórias e personagens que se fundem em tantas ideias que me perco pelo caminho... Por isso nem os enumero, digo antes que já são 6 os pendentes.

Lisboa em Pessoa e Portugal a Pé, gentilmente cedidos pela compincha Catarina, companheira de diversas sessões à Roda dos Livros, das viagens e até das caminhadas.

"A pé tu consegues! Sabes sempre que mais tarde ou mais cedo vais lá chegar e sempre de uma forma mais genuína... vês o país em câmara lenta."

Ambos os livros têm sido alvo de recursos constantes, nomeadamente aquando de mais uma caminhada. A conto revisitá-los ainda muitas mais vezes e só largamente depois organizar um artigo, com direito a fotos das respectivas caminhadas. Como já consta por aqui - De colina em colina, Lisboa chama por uma leitura - um álbum no facebook do Efeito dos Livros.

É inevitável, mas estão também por "criticar", positivamente é claro, "O Apocalipse dos trabalhadores" e a "Máquina de fazer espanhóis", que desde "O filho de mil homens" me apaixonei pela escrita de Valter Hugo Mãe. Quanto a estes dois livros em questão estão também pendentes, aguardando a leitura "O nosso reino" e "O remorso de Baltazar Serapião", para assim terminar a tetralogia e conhecer este sentimento profundo de "ser português", segundo as palavras do autor.

Entretanto, as leituras têm avançado e por isso os próximos livros a ficarem aqui sob o efeito serão:

- "A Fenda", de Doris Lessing
- "A casa de papel", de Carlos María Domínguez
- "Escuta Zé Ninguém", de Wilheim Reich - ainda em análise e mais umas leituras
- "Os Memoráveis" de Lídia Jorge... muito a tempo de celebrar os 40 anos do 25 de Abril
- "Rosa Cândida" - na estreia de Auour Ava Olafsdotir
- "Livro sem ninguém" de Pedro Guilherme Moreira
- "Índice Médio da Felicidade", outra estreia, desta vez minha, aos livros de David Machado
- "A casa de papel", uma necessidade depois de ouvir Ondjaki falar sobre o livro.

E mais recentemente e de rompante:

- "Perfumes" de Philippe Claudel, que foi uma delícia
- "Mal Nascer", mal me caiu nas mãos... já que esperava ansiosamente um novo livro de Carlos Campaniço
- "A mulher de verde", em mais uma estreia em literatura nórdica, que correu bem melhor que Jo Nesbo
- "A Enzima Prodigiosa", para ver se ganho novo ânimo em melhorar a alimentação que se faz cá por casa.

Ora nem os contei, só para não ficar nervosa!

Sem comentários :