Pesquisar neste blogue

A carregar...

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Quando um livro se torna filme :: "Lugares Escuros" + Opinião Livro


Visto que "Lugares Escuros"de Gillian Flynn foi uma das leituras de verão da metade colorida, o que coincidiu com o lançamento da adaptação cinematográfica nas salas Portuguesas, decidimos fazer um "dois em um".

Aqui fica a opinião do caracol literário (que só viu o filme)

Um filme intrigante...
Um filme que nos leva a tentar adivinhar o que se passou...
Um filme que nos mostra diversas escolhas...
Escolhas de quem está desesperado...
Escolhas de oportunistas...
Escolhas coagidas...
Enfim, um emaranhado de boas/más escolhas que tecem a teia deste filme..
Gostei bastante de como todos os dados são encadeados, e gostei muito dos pormenores de imagem dados a certos pormenores das personagens..



Opinião da Metade Colorida que leu o livro e depois não resistiu em ver o filme

Acho que até agora não me engano quando digo que o meu livro preferido de Gillian Flynn foi o primeiro que li, "Objectos Cortantes". Este foi igualmente o primeiro livro da autora, tendo sido recentemente reeditado pela Bertrand. A versão que li, emprestada (Obrigada Filipa que também me emprestou este!) era da Gótica, uma editora que creio já não se encontrar activa.
Desde então, os livros que li da autora era bons mas ainda não conseguiram suplantar o primeiro. "Lugares Escuros" é ainda capaz de ficar em terceiro lugar, sendo ultrapassado por "Em Parte Incerta" e a maquiavélica Amy.

A história de "Lugares Escuros" prende-nos pelo mistério que revolve em torno da fatidica noite em que a família Day foi assassinadam, sendo que os únicos poupados foram Libby, a nossa personagem principal, e o seu irmão Ben, o principal suspeito.
Desde os 7 anos que Libby vive sob a sombra deste acontecimento e quer por incapacidade ou apatia, nunca se tornou mais do que a sobrevivento do massacre, acabando por ainda viver às custas do fundo criado por benfeitores nos tempos após o massacre.
Cleptomaniaca, oportunista e de incapaz de pensar fora da zona de conforto que criou, Libby tornou-se uma adulta incapaz de fazer algo por si, até tentar descobrir a verdade do que se passou tantos anos antes.
Apenas perante o contacto de um clube de curiosos investigadores, Libby é incitada (em troca de dinheiro) a abrir as portas para o passado, em busca da verdade.
Quem matou realmente a sua mãe e irmãs naquela noite? Fora Ben, como ela acreditou todos estes anos? Fora o culto satânico que a vila dizia acompanhar o irmão em rituais malévolos? Fora o pai num acto cobarde de revolta?

Como sempre a escrita de Gillian Flynn prende-nos, leva-nos alternadamente entre personagens, no tempo presente e no passado, para assim desvendar o que realmente aconteceu.
E curiosamente, confesso que assim que terminei o livro pensei "Isto vai ficar espectacular em filme".



Na transição da leitura para o filme a primeira coisa que posso apontar é a personagem principal. Adoro a Charlize Theron mas onde está a Libby baixinha, mamalhuda e sem graça? É que esta atriz, embora tenha encaixado muito bem o papel de Libby, nos outros aspectos chave da história, fica muito aquém da imagem que criamos na nossa cabeça durante a leitura.
A adaptação está muito bem conseguida, o espectador é tão bem apanhado como o leitor ao descobrir a verdade e embora algumas cenas não tenham sido tão arrepiantes como no livro, a interpretação de personagens como Diondra, Ben ou até Libby estão de acordo com a ideia que criamos com a leitura.
Um filme que não desilude mas que para muito boa gente até pode ser considerado um pouco parado.


Os livros de Gillian Flynn, editados pela Bertrand, já se encontram aqui no Efeito dos Livros, assim como a crítica ao filme "Em Parte Incerta"
Vejam a opinião a:

Opinião -- " Objectos Cortantes "

Opinião :: "Em Parte Incerta"

Quando os livros se tornam filmes - Gone Girl / Em Parte Incerta

1 comentário :

Isaura Pereira disse...

Olá Elsa,
Da autora ainda só li o "Em Parte Incerta" e gostei bastante. Eu tenho sempre algum receio de ver os filmes dos livros que leio. Normalmente sinto uma pequena desilusão por algumas coisas não coincidirem embora saiba que algumas mudanças são necessárias, mas enfim..
Beijinhos e boas leituras