segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Opinião :: "Fala-me de um dia perfeito" de Jennifer Niven

A Nuvem de Tinta é uma nova chancela da Companhia de Letras que faz a sua entrada no mercado editoral Português com "Fala-me de um dia perfeito" de Jennifer Niven.
E que estrondosa entrada!


Há livros que nos tocam, outros que nos passam ao lado e outros que nos mandam para o chão, nos pontapeiam e nos caem em cima.
“Fala-me de um dia perfeito” é um destes, dos que magoa, dos que nos faz apaixonar por uma personagem, nos faz compreender os sentimentos dos intervenientes da história, que nos faz sorrir e chorar alternadamente, como se estivéssemos numa montanha russa hormonal. Tenho uma mão cheia de livros que me provocaram esta panóplia de sentimentos e este livro junta-se agora à lista.
Foi um privilégio conhecer Violet e Finch!

Curioso em como de todos os livros que leio, aqueles me mais me tocam, são os que tenho mais dificuldade em falar. Para todos os outros, a opinião passa do cérebro para as pontas dos dedos em meros minutos mas estes, oh estes, ando aqui a remoer a história e a ouvir a playlist que eu própria criei em loop. Acho que acima de tudo para dar sentido à história, aos meus pensamentos e ao peso que levo comigo. Acho que preciso de tempo para colocar tudo em ordem de modo a que quando chegar a escrever para vocês as coisas terem algum sentido.
Honestamente, desta vez acho que nada do que eu escrevo faz sentido, por isso, perdoem-me. confiem em mim, leiam, não se vão arrepender.

Conhecemos Violet Markey, uma miúda que vive os seus dias como uma tarefa que risca rotineiramente do calendário a marcador negro, a cor que a sua alma e o seu espírito apresentam desde a morte da irmã. Dormente, perdida e sem rumo, Violet bate fundo no momento em que sobe ao ponto mais alto da escola para terminar a vida vazia que leva mas o destino trabalha de maneiras misteriosas e nesse mesmo momento, naquele mesmo local está Theodore Finch, o outcast da escola, que se encontrava no mesmo sítio a ponderar no mesmo, a testar o limite, a ver até que ponto alguém se importa, alguém repara nos alertas sucessivos que a sua depressão profunda tem lançado.

Um pouco contra vontade de Violet, iniciam uma jornada capaz de mudar para sempre as suas vidas. Graças a Finch, Violet reaprende a ver a beleza nas coisas simples, naquelas que perderam o brilho nos meses em que deambulou por casa e pela escola, alvo de olhares de compaixão, palmadinhas nas costas e constantes desculpas pelo estado delicado em que se encontra.

"Tu precisas de ser atirada, não empurrada. Tens de recuperar as rédeas da tua vida. Se isso não acontecer, vais ficar no parapeito alto que criaste para ti mesma"

E é assim, num constante arremesso de Violet que vemos esta história ganhar corpo, tornar-se épica, virar romance e tragédia, digna de um pacote lenços, uma playlist emocional e uma mão cheia de valiosas lições.

Uma vez li que as pessoas que valem a pena ter por perto são aquelas que não só nos ajudam a sair do buraco como saltam lá para dentro para nos fazer companhia enquanto não conseguimos sair por nós próprios.
Creio que a depressão seja um pouco assim. Ninguém que está fora vê o que vai cá dentro, logo, como pode entender?
O problema no pensamento anterior é: e se buraco em que nos encontramos é pequeno comparado com a cratera negra que envolve a pessoa que se prontifica a nos ajudar, que nos quer ver sair da depressão em que nos encontramos? 
Por vezes as pessoas que parecem mais fortes, as que têm carapaça de tartaruga, que respondem a tudo com uma atitude positiva e um sorriso são as que já desmoronaram por completo no seu intimo. 
E quantas vezes paramos para olhar para as pessoas que nos rodeiam, para as que nos são queridas e nos questionamos até que ponto estão bem?
Quantas vezes paramos para ouvir resposta ao mundano "então tás boa?"? Quase nenhuma! 

Mas não divagando...
Além de gostarmos muito de Violet e da história que estes dois criam, não dá para contornar o Finch. Não dá mesmo!
Um camaleão de aspecto louco, alvo dos piores comentários proferidos na escola que frequenta mas alheio, ou assim parece, a tudo o que é suposto o afectar.
Ele é...aquela pessoa que nos faria abanar a cabeça perante as suas loucuras mas sentir redondamente especial por ser considerada sua amiga.
O resto...
o resto é magnífico! Magnificamente belo, triste, pesado, louco...magnífico!

Eu disse que o que iria escrever não faria sentido.
Olha....fiquem com a playlist que organizei e a notícias que a autora já está a preparar o guião para a adaptação do livro ao cinema.
Leiam, ok!?

Uma novidade
Nuvem de Tinta

3 comentários :

Biscoita disse...

Fiquei ainda com mais vontade de ler este livro! :D

Sara Berbigão disse...

Olá
Li este livro ainda em inglês e gostei muito. Dá mesmo para refletir.
Gostei muito da opinião.
E não sabia que ia haver filme :)
Beijinhos e boas leituras

ElsaR disse...

Sim, para 2017 e com a Elle Fanning como Violet

http://www.imdb.com/title/tt3907584/