Pesquisar neste blogue

A carregar...

domingo, 24 de abril de 2016

Opinião "Pede-me o que quiseres e eu dar-te-ei"


Ai que saudades eu tinha de Eric e Judith! 
Realmente acompanhar uma série como esta, em que fiquei a conhecer as personagens ao ler o primeiro livro em 2013, faz com que de certa maneira eles sejam uns amigos meio loucos que volto a encontrar para cochichar sobre a vida pelo menos um vez por ano. 
Este "Pede-me o que quiseres e eu dar-te-ei" deve ter surgido de uma tremenda dose de saudades, quer da parte da autora, quer da parte dos fieis leitores que ficaram rendidos às personalidades marcantes deste casal.
Ah e para quem tinha saudades de Bjorn e Mel (eu!!) e do restante gang, opah, fiquem descansadinhas que ao longo destas 727 páginas vão ter oportunidade de os rever e de viver mais umas quantas loucuras com eles.

Reencontramos Jud e Eric no seu quinto ano juntos. O casamento corre às mil maravilhas, os miúdos crescem a olhos vistos, Flynn é já um adolescente e nada abala a vida comum da família Zimmerman.
Bem, nada não, até porque todos os casais têm os seus dramas e numa casa onde os génios são tão marcados como os de Judith e Eric, há sempre alguma coisa que serve para gerar confusão mas acho que acima de tudo se deve ao facto de eles adorarem fazer as pazes....na cama! :)
Em simultâneo com o desenvolvimento do amor louco anteriormente referido, temos Bjorn e Mel que se encontram juntos desde "Surpreende-me".

ORA PAUSA.....se não leram os livros por esta ordem, ou seja, se estão a pegar neste sem ler os todos os anteriores, façam um favor a vocês mesmas e guardem este calhamaço para o fim. Eu sou suspeita, EU ADOREI O LIVRO SURPREENDE-ME mas isto é porque quer Mel quer Bjorn são personagens brutais e que me conquistaram desde o primeiro momento que entraram em cena.
Ok, esclarecidas quanto à ordem?!
Trilogia Pede-me o que quiseres e depois Surpreende-me.

Agora voltando que interessa...como mencionei anteriormente, "Pede-me o que quiseres e dar-te-ei" desenvolve em simultâneo a história dos dois casais.
E se sabemos que a faceta intima, já que de privada não tem nada, de todos estes personagens é sempre animada, interessante e até chocante para muitos leitores, tenho de vos dizer que o enredo deste livro vai pegar nas vossas entranhas em revirá-las do avesso.
O que menos queremos ver acontecer a um amigo?
Algo que o faça sofrer, um injustiça e uma série de problemas que sugam a sua alegria de viver.

A trama do dia a dia que vai envolver cada casal é exactamente o tipo que nos faz respirar fundo e pensar "quando é que isto vai rebentar?".
Tudo é um potencial problema. O excesso de trabalho, a falta de ocupação profissional, as pessoas do passado, os filhos pequenos, os filhos adolescentes problemáticos, o cão meio louco, a falta de comunicação, os segredos, as pessoas más que os rodeiam e até os problemas dos outros se tornam uma possível fonte de conflito.
Se para Mel e Bjorn se trata de um passo em frente que hesitam em dar, para Jud e Eric são os consecutivos passos à retaguarda que dão após cada problema que perturba a sua vida familiar.
E quando as coisas estão por um fio, uí, que aperto vos dá na barriga, que dor!

Mas sabemos que estes casmurros estão destinados a ficarem juntos, que depois de tantos anos a acompanhá-los, mesmo com gritos e choros pelo meio, só queremos terminar o livro com um sorriso e a plena certeza que por muito que o barco abane eles se mantém juntos e a flutuar num mar de felicidade (e erotismo!)

Ao terminar a leitura deste livro estive a reler a opinião aos quatro livros e é curioso pensar que quando li o primeiro não fiquei NADA interessa em Eric, na história, sei lá...gostei do fim e da garra espanhola de Jud.
No entanto, aqui estou eu, rendida às loucuras desta gente.
Se como eu já tinham saudades destes tipos, não hesitem....este livro é uma barrigada de erotismo, drama familiar e amor.

E agora, deixo-vos com Alejandro...

Deixo-vos a opinião à trilogia
 
E a entrevista com a Megan Maxwell

Uma autora que nos chega pela mão da

Sem comentários :