Pesquisar neste blogue

A carregar...

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Opinião "Uma Viscondessa Fascinante"

A Casa de Trent continua a dar cartas e cada uma melhor que a anterior. 
Quem diria que depois do Duque que casa com a empregada e do irmão leviano que encontra salvação numa missão de resgate, viríamos a ser surpreendidos por mais um homem da complicadíssima prole da Duquesa viúva de Trent?
Esta família é um poço de surpresas e ainda só conhecemos a Lady Esme muito à superfície, imaginem lá do que ela pode ser capaz.
Mas vá...não divaguemos, "Uma Viscondessa Fascinante" leva-nos uns passos mais à frente na busca da Duquesa desaparecida e permite que mais um dos seus filhos encontre a felicidade, num caminho algo tumultuoso e repleto de tiros a cortar o ar à sua volta.


Reencontramos Samson Hawkins na calada da noite, calmo e preparado para executar mais uma das missões que têm sido o seu dia a dia ao ter feito da Agência o seu trabalho e a sua vida. O alvo a abater é um aristocrata inglês que tem sido um traidor para o seu país e o seu Rei. Mas o que teria sido uma operação fácil de executar, torna-se um pesadelo quando uma jovem mulher testemunha essa missão, que culmina nada mais nada menos do que com a morte do seu próprio marido.

Élise, Lady Dunthorpe, nem deveria estar em Londres, quanto mais na mesma sala que o marido e o seu assassino. Levada como salvaguarda ou a caminho do seu destino final, Élise vê-se nos braços de um captor que a confunde, que por mais forte e bruto que aparente ser, a trata com cuidado, como se ela fosse uma gentil flor. 
Uma francesa exilada em Londres, casada há mais de uma década com um Visconde inglês aparenta ser muita coisa que na realidade não é mas será ela uma traidora à pátria que a acolheu? Ou estará completamente ignorante face aos planos engendrados pelo marido para trair a Coroa Britânica?
Até que ponto Sam e os seus colegas podem confiar nesta mulher?
Até que ponto Sam pode confiar em si mesmo?

Enquanto aguarda ordens sobre o que fazer com a única testemunha da sua última missão, Sam trava uma luta interior entre o desejo e a razão. Mal sabe ele que do outro lado, no lugar da sua prisioneira, a dualidade de pensamentos é ainda mais complexa. Porque Élise se sente atraída pelo homem que matou o seu marido? Será que embora a tenha feito prisioneira, a libertou de um mal bem maior? Qual será o destino de Élise? Quem será o primeiro a ceder na reclusão obrigatória a que se viram forçados?

"Eu prefiro concentrar-me no presente. É mais seguro assim. Para mim, o caminho mais directo para a loucura é ficar sentado e imaginar futuros possíveis. E quanto ao presente, estamos seguros"

Ohhhh isto podia ser visto como um caso de Síndrome de Estocolmo mas vá, deixem-se de psycho babble bullshit e apreciemos o resto, o romance entre o homem e uma mulher que viviam sem viver, que estavam adormecidos e que ao se encontrarem acordaram para o melhor de si e do que a nossa existência tem para oferecer.

EU ADORO A CASA DE TRENT!
Eu até vos explicava porquê mas não vos vou dar spoilers.
O facto de serem TODOS dignos de escândalo é a razão primordial da minha adoração. Os detalhes ficam para quem lê os livros.

E quanto à busca da Duquesa, oh há desenvolvimentos e dos bons.
Quando pensávamos que não podiamos ser ainda mais surpreendidos com as mirabolantes histórias que envolvem esta senhora, somos completamente apanhados pela sua última revelação.

Jennifer Haymore, andei a ver e ainda só fizeste um livro para um dos gémeos (Markus) mas e a Lady Esme?
Eu quero ler a história da única mulher na família. Deve ser uma loucura!

Ou melhor, vou ter de ler a outra série publicada por cá.
Ora que chatice!

"Uma Viscondessa Fascinante" e os restante volumes da série A Casa de Trent são uma aposta
Opiniões aos restantes livros da série podem ser lidas AQUI

Sem comentários :