Pesquisar neste blogue

A carregar...

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Opinião "No teu olhar"

Oh tio Nick, tenho reservado a primeira leitura do ano para um dos teus livros e não é que tenho acertado?!
Este "No teu olhar" foi uma óptima surpresa e começo a achar preocupante eu querer roubar livros à minha mãe, especialmente de Nicholas Sparks.


Comecei a ler este livro no momento seguinte a ter lido a sinopse pela primeira vez. Pensei "ahhh miúda betinha conhece rufião e depois de muito lutarem contra tudo e todos, essencialmente a família Betinha, vão conseguir vencer todas as adversidades e serem felizes para sempre....ou ele morre por causa de uma parvoíce qualquer"
Gostaram do resumo céptico?
Pois, engana-se quem pensou o mesmo que eu, pelo menos em certa parte.

Maria realmente podia ser a Betinha. Advogada que se esfalfa como assistente numa sociedade de renome, vive para o trabalho, a família e o seu passatempo preferido, o paddleboard (confesso que fiquei curiosa de experimentar).
Com alguns episódios menos bons no departamento amoroso e outros complicados no campo profissional, Maria mantém-se segura na rotina casa-trabalho-casa da família super protectora.

Já Colin é um lobo solitário. Com um passado conturbado e que lhe garante uma estadia de longo prazo na prisão caso meta a pata na poça, Colin tenta viver uma vida calma entre o trabalho, as aulas na faculdade e os treinos intensivos diários. A única coisa que foge à sua rotina maníaca de controlo é a presença efusiva dos únicos amigos, Evan e Lily.

Agora...
O primeiro encontro entre a "Betinha" e o "Rufião" não podia lançar de melhor maneira o mote surpresa do livro. 
Mais que um romance e uma história de redenção, "No teu olhar" tem crime, pânico, perseguição e todas aquelas situações que fazem arrepiar os pelinhos do corpo se estivessem a acontecer connosco. Não, o tio Nicholas não escreveu um thriller mas à medida que Colin e Maria ganham substância, o que é uma coisa bonita de se ver, há partes das suas vidas que vão ganhando contornos bem negros e são esses detalhes que me agarraram ao livro para que eu o consumisse em três dias.

Ando aqui a pensar que este livro um dia destes chega a filme mas não consigo pensar quem seria o actor ideal para ser o Colin. Quando comecei a ler, lembrei-me do Travis Maddox e o meu cérebro já só consegui ver o Colton Haynes (sim, algures pela mesma altura da minha primeira leitura do livro da Jamie Mcguire eu andava a ver o Teen Wolf!)

Tio Nicholas, talvez durante o ano leia outro. Estive a olhar para a estante e tenho 10 livros teus por ler. Vou pensar nisso!

Boas leituras!
Uma edição

Sem comentários :