quarta-feira, 14 de junho de 2017

Opinião "Dúvida Razoável"

Esta leitora não precisa de aprender o jargão jurídico para se defender do crime cometido.
Sou culpada de ter adorado este livro. Condenem-me a uma pena de luxúria igual à descrita nesta história e sou uma presidiária feliz para o resto da vida.
:) 


Quando li a sinopse de "Dúvida Razoável" dei comigo a pensar "enah enah, uma história com advogados". Não tenho qualquer inclinação para a profissão, nem nada que se pareça. Achei engraçado porque recentemente comecei a ver a SUITS :) e adorei estar dentro da mesma área tanto na leitura como no vício netflix. E vá, uma parte de mim andava a imaginar o Harvey como sendo o Andrew...só sabe quem vê! :) 

Conhecemos Andrew e bem....não posso dizer que seja fácil gostar dele logo à primeira vista.
Um advogado convencido, adepto de escaldantes encontros casuais com mulheres que conhece online, Andrew não nos fica propriamente em grande conta quando por intolerância às mentiras tem uma atitude nojenta e machista.
No entanto, há medida que o ficamos a conhecer, vamos dando razão às suas duas máximas "Só casos de uma noite" e "intolerância zero a mentiras".
Gato escaldado de água fria tem medo e Andrew ainda sente as queimaduras que o seu passado deixou em si.
6 anos não foram suficientes para apagar o quanto sofreu mas bastaram para que ele construí-se à sua volta um muro incapaz de ser transposto, por isso, quando uma simples advogadita lhe pede conselhos online e acaba por se tornar a única sombra de amizade na sua vida, Andrew não sabe o quanto a sua rotina pecaminosa e desprovida de sentimentos está prestes a mudar.

Aubrey não é advogada, pelo menos por enquanto, e o chat onde conhece Andrew (ou devo dizer Thoreau!) devia servir apenas o propósito de lhe permitir obter alguma ajuda para o curso que batalha para tirar enquanto se esmifra para ser bem sucedida na sua grande paixão, o Ballet. A última coisa que esperava encontrar online era alguém que além de uma ajuda, se tornasse um amigo e uma possível atracção, por isso, a regra de NUNCA relevar a sua verdade identidade e NUNCA vir a conhecer Thoreau cai completamente por terra quando, por um grande acaso do destino, o seu estágio de advocacia acaba por ser....sob a alçada do experiente e pecaminoso Dr. Andrew Hamilton.


O que podia ser o início de uma grande explosão de luxúria é, logo para começar, uma grande discussão, um vulcão de ira.
Andrew abomina mentiras. Sente-se enganado e a última coisa que quer é estar próximo de Aubrey. 
Mas...que moral tem ele para falar de mentiras se não revela os seus segredos a ninguém!?

"Dúvida Razoável", com as suas aberturas de capítulo jurídicas, com explicações que encaixam como uma luva na cena que se segue, ESTÁ ESPECTACULAR.
Que estreia brutal em Portugal para a autora Whitney G que eu, muito infelizmente, não conhecia até então.

Esta história devora-se!
Oh Deus que confusão, que batalha louca entre o desejo, a traição, os traumas do passado e o desejo de singrar naquilo que mais se gosta de fazer. 
E estes dois....são fogo, daquele que dá gosto ver arder (sem quaisquer inclinações piromaníacas, ok!?)

Precisam de leitura que coincida com o calor que se faz sentir na rua ?
"Dúvida Razoável" é o livro que querem ler.
Acreditem em mim. Juro dizer a verdade e nada mais que a verdade ;) 

Uma novidade

Sem comentários :