sexta-feira, 20 de agosto de 2010

A viagem do Elefante

Passados não sei bem quantos anos, decidi que queria voltar a ler Saramago, quis começar pelas Intermitências da Morte, mas a minha Biblioteca favorita não tinha para requisitar, então decidi comprar na WOOK e foi um fiasco (uma história/reclamação) para depois! Afinal agora descobri que o meu amigo Valadas tem e adorou esse livro e, como é óbvio será ainda leitura deste Verão.

Mas este post será sobre "A Viagem do Elefante" e deixem que comece já por dizer que adorei o modo como está escrito, pelos jogos de palavras, pela inteligência como certas ideias estão colocadas, mas sinceramente tenho a necessidade de dizer que o livro me chateou, achei-o enfadonho! Dos muitos últimos que tenho lido este foi realmente cansativo de ler, não me apetecia, cansava saber que ia continuar a seguir com os olhos as palavras que descreviam, sempre, desde o princípio até ao fim, a viagem de certo Elefante desde Belém, Lisboa até Valladolid e depois até à Áustria...

Será que aqui um detalhe histórico que me falha?
Existe alguma ironia e critica à monarquia desta época que eu desconheço e então a história perde o sentido e o interesse?

Ainda assim quero dizer que o modo como está escrito é sem dúvida o melhor deste livro, Saramago descreve-nos o Elefante como um ser equiparável às pessoas que o rodeiam, ou melhor, em certas fases, um ser superior!

Quem já leu, gostou e encontrou sentido para a história que me explique por favor, pois fiquei com a sensação de me ter escapado algo!

Ainda assim estou preparada para as "Intermitências da Morte", logo depois de ler "O Homem que sonhava ser Hitler", do Tiago Rebelo e heis aqui reveladas as próximas reviews que serão feitas por mim!

Vivas ao Verão!

Está tudo na cabeça, romance, Alastair Campbell, Bizâncio

Está tudo na cabeça, não podia estar mais de acordo com a afirmação do autor e director de comunicação e estratégia do ex-ministro Tony Blair.

Sem dúvida que a cabeça comanda o corpo, a vida, as decisões, as relações, as manias, as depressões, as alegrias e até a morte.

É um livro fantástico, escrito de uma forma devoradora, que come, sem peso nem medida as nossas horas, as nossas ideias, até sermos capazes de terminar mais um capítulo e outro e ainda outro e sem darmos por isso terminarmos o livro.

No fim a sensação é de cansaço, afinal está tudo na cabeça! Mas é um cansaço que pesa, que nos obriga a reflectir, chega a ser um cansaço doloroso, inclusive marcante, que durante dias me fez lembrar no desfecho que as vidas levam, porque está tudo na nossa cabeça!

The Times, comentou-o assim "Um romance notável... uma experiência absorvente e inesquecível."
EXACTAMENTE! Leiam, recomendo vivamente!

Férias, Agosto, praia e ....

Agosto é normalmente um mês produtivo em termos de leitura, e isso tem sido sem dúvida, contudo não dá para produzir em todas as frentes de batalhas e realmente Agosto foi uma batalha com papéis e burocracias a fim de ter tudo preparado até ontem, a tempo da faculdade e das férias (+claro)...

Clarificando, vivem-se momentos de retorno à licenciatura anteriormente abandonada, a fim de terminar com direito a Mestrado e tudo, talvez seja desta que este país ganhe mais uma professora, como se já não existissem suficientes e até devem fazer cada vez menos falta, agora que já contam mais de 700 escolas para fecha!!!??? Mas isso são outros assuntos, dignos, igualmente de grandes romances.

Isto tudo só para vos dizer que voltamos, apenas por momentos, uma vez que Domingo começam novas férias - por isso, hoje apenas, deixarei aqui mais duas reviews.

Espero que gostem!