domingo, 25 de maio de 2014

"Pede-me o que quiseres, ou deixa-me" - Opinião

Já tinha saudades de Judith e Eric!
Realmente depois de ter ouvido a autora falar deles como de dois amigos seus se tratassem, quase que damos por nós a pensar que os estamos realmente a rever depois da sua solarenga e escaldante Lua de Mel.

Sinopse

Reencontramos Eric e Judith nas areias da Riviera Maia, em dias de ócio, prazer e sol. Parecem mais unidos do que nunca, empenhados em manter a paz e em não discutir. Deste modo, tudo corre às minhas maravilhas.
No regresso a casa, a passagem pelo México, apresenta-nos personagens com quem rapidamente simpatizamos e permite-nos rever outras que já nos conquistaram anteriormente. É interessante como enquanto mantém o seu recente casamento saudável, ainda conseguem encontrar tempo para emparelhar outros (com isto refiro-me a Judith, armada em casamenteira).
Nesta nova etapa da vida do casal, os seus amigos continuam tão presentes fora como dentro do quarto. As cenas, com temperaturas que rivalizam com qualquer cidade no sul de Espanha em pleno Agosto, estão cada vez mais elaboradas. E o prazer de experimentar algo novo e testar novos limites, seduz cada vez mais Judith, que não recusa as sugestões do marido. No entanto, quanto mais mórbida a cena (lá estou eu a usar a palavra deles!), mais próximo e cúmplice fica o casal.

O regresso à normalidade, ao local a que agora chamam casa em Munique, trará provações e situações que oscilam o bem estar da relação e da saúde de ambos.
Curiosamente, como diz a canção que ficou como mais um dos temas do casal ("Se nos dejan" de Luis Miguel), se os deixarem, eles conseguem ser felizes mas ainda existe quem se aflija com a alegria e o amor de Judith e Eric, quer por inveja, despeito ou simplesmente por maldade.
Mesmo em maré de paz e amor, a sua relação tem novas provas a superar. Conseguirá resistir à passagem do tempo? A um acidente? A uma traição? E à constante presença dos problemas e assuntos pessoais da família e amigos próximos na sua vida?
Qual a semente que irá germinar mais rapidamente? A da discórdia ou a da esperança num futuro risonho?
Será um "Pede-me o que quiseres" suficiente para remediar o mal feito?

No seu jeito que já nos é familiar, as relações humanas desenvolvem e os problemas resolvem-se, porque como em todas as relações há dias bons e outros mais complicados, especialmente quando as contas já não se fazem com um simples 1 + 1.

Um fim que pode ser previsível para muitos, tem o seu número ideal de twists e surpresas que nos fazem ficar felizes por reencontrar Eric e Judith no auge da sua vida a dois. Ficamos igualmente contentes por estarem tão bem acompanhados de família e amigos.
Ver desenvolver, em redor de Judith e Eric, as relações dos outros personagens torna ainda mais cativante esta história. Ficamos felizes por outras personagens mas sentimos que a ponta solta é Bjorn, tão bom amigo, um partido irresistível e solteiro. Mas por quanto tempo?
Alguém traga Sorpréndeme de uma vez por todas para Portugal, se faz favor, ou terei de aceitar a proposta de uma amiga e ler a tradução do Brasil, ou quem sabe, cometer a loucura e comprar o livro em Espanhol.

Por ai, que me dizem de Pede-me o que quiseres? Gostaram de conhecer a impulsiva Judith e sensualmente controlador Eric? Ansiosos pelo terceiro livro da Trilogia?

Deixo-vos a opinião ao primeiro e segundo livro da trilogia

 
E a entrevista com a Megan Maxwell

Uma Trilogia de sucesso da

2 comentários :

Mariusky Spínola disse...

Eu não resisti e li a versão PDF em brasileiro (até para tentar poupar uns trocos pq andava a gastar balúrdios em livros e com 2 filhotes pequeninos, era dinheiro a ser poupado!)

Vais adorar a história de Björn!!!! Eu adorei! Andava com o tablet para todo o lado!!!

Anónimo disse...

onde encontraste o pdf?