quarta-feira, 7 de julho de 2010

A arte da Pornografia Materna

Possidónio Cachapa é um nome que dificilmente esqueceremos depois de lembrarmos repetidamente algumas das passagens do seu livro Materna Doçura. 
Possidónio, a não confundir com pseudónimo, pois a sua escrita nada tem de fictício, encontrou uma fórmula genuína de falar de amor, aquele de sangue, de alma, de dor, de parto... o amor maternal e não só!

Nesta história temos homens que choram e que gostariam de sentir a dor de parto, porque as outras dores, sentem-nas todas. São homens que amam sem fim, com uma dor carnal, sentida e expressa, muito bem expressas na leitura, devoradora, que se faz das linhas escritas por este autor da última geração portuguesa de ficcionistas.

O amor fala tão mais alto, tão mais profundo que o prazer carnal, pleno de amor se reduz ao acto de maior amor, o prazer, a união, o fundir-se de duas pessoas na sua intimidade... a pornografia maternal!

Estranho!? Nada mesmo, inquietante e enternecedor.
Recomendo vivamente.

Sem comentários :